Adaptação é fator chave para o sucesso no mercado de investimentos: conheça a versão 3.0 da plataforma Atlas da BRITech

Por: Luiz Gasparelo - 13/02/2019

Tempo de leitura:

Se manter atualizado é um dos principais fatores de sucesso no mundo corporativo. Essa necessidade de acompanhar constantes mudanças permeia todos os mercados existentes, e no de investimentos não seria diferente. Cada vez mais o processo de tomada de decisão precisa se encurtar e, proporcional a essa velocidade, a necessidade de dados e informações para que os riscos envolvidos diminuam de forma inversa. A revolução digital é o principal estandarte desta realidade e está presente no DNA da BRITech.

Seguindo o nosso compromisso de sempre ser a empresa mais alinhada com as necessidades do nosso cliente e as mudanças do mercado, lançamos a versão 3.0 da nossa plataforma Atlas. Essa nova versão entrega aos nossos usuários e seus clientes funcionalidades abrangentes e de grande relevância no mercado de investimentos, principalmente para fundos de investimentos [Fundos 555, FII, FIDC, FIP, etc.], carteiras administradas, wealth management, private banking e carteiras offshore.

Features da Versão 3.0 do Atlas Open Banking/PAS e Atlas/TAS

A nova versão do catálogo de serviços amplia as possibilidades de integração entre diferentes instituições ou até mesmo áreas de negócios dentro de uma mesma instituição, com destaque para:

  1. Fluxo de informações sobre posição disponível, bloqueada, movimentação de bloqueios e desbloqueios baseados em STP (Straight-through processing) utilizados por instituições financeiras para controlar ordem judiciais (integração BACENJUD) garantindo segurança e agilidade no atendimento aos órgãos reguladores ou aos clientes nos caso de controle de margens de garantia ou garantias gerenciais;
  2. Gestão de informações de carteiras administradas de clientes private ou UHNWI (Ultra-High Net-Worth Individuals) que operam em diversas plataformas numa mesma instituição financeira ou plataformas abertas e conectadas à diversas instituições distribuidoras de títulos garantindo acurácia e rapidez na comunicação, eliminando os demorados processos de reconciliação e processamentos redundantes, além de garantir a visão consolidada, holística e precisa sobre a rentabilidade, exposição, risco, fluxo de caixa e informações tributárias de cada classe de ativo e em diversas visões de consolidação, não limitando-se a visão por administrador, custodiante ou emissor;
  3. No caso de Open Banking a gestão de segurança da informação é tão ou mais importante que nos processos tradicionais. Assim, foi criado conjunto de APIs que permitem a gestão total de alçadas, desde a criação de usuários, muito comum nos casos de varejo, como autorizações de tipos de operações e Chinese Wall.

Gostaria de mais informações sobre o conceito de Open Banking e a visão BRITech sobre o tema? Já falamos sobre o assunto neste post exclusivo do nosso blog.

Gestão tributária

A abrangência tributária da plataforma foi ampliada para tratar diversos novos cenários passando por:

  1. Imposto de renda para investidores não residentes;
  2. Tratamento tributário para usufruto, tanto para o usufrutuário como para o proprietário do valor mobiliário;
  3. Tratamento tributário diferenciado para passivo de fundos e memória de cálculos para diversas condições de evento corporativo, como fusão, cisão, incorporação, mudança de condomínio, etc.;
  4. Novo informe de rendimentos destinado à pessoas físicas, anual, e jurídicas, trimestral.

Despesas e taxas

Além de API para integração com o módulo de Open Banking, foram criadas melhorias:

  1. Taxa de fiscalização CVM baseada no PL médio de três meses ou no PL do último dia do trimestre, muito usada para fundos estruturados como fundos imobiliários (FII), fundos de participações (FIP) e fundos de recebíveis de crédito (FIDC);
  2. Taxa de administração baseadas no comprometimento das subscrições, inclusive com possibilidade de desconto de possíveis amortizações;
  3. Aprimoramento nos cálculos de taxa de performance no passivo, com novas opções para indexadores negativos e diferentes cenários de aplicação e resgates em fundos.

Passivo de fundos

No caso de passivo de fundos a plataforma Atlas, através do sistema Atlas/TAS, passou:

  1. Registro de ofertas de subscrição, controle de aportes realizados via boletim de subscrição inclusive com regras de enquadramento específicos baseados na movimentação dos cotistas, suas regras de suitability e registro das ofertas;
  2. Agenda de eventos, principalmente para fundos de participação;
  3. Controle segregado e mais ágil para controle de diferentes classes e séries de cotas para fundos de participação, fundos imobiliários e de direitos creditórios;
  4. Ajustes nos extratos de cotistas conforme previsto na IN CVM 494 divulgada em 2011, mas alterada recentemente;
  5. Atualização nos layouts de lâminas de fundos mensal seguindo determinações mais recentes da CVM.

Operações de câmbio

O módulo de câmbio foi reformulado de forma que agora trata com maior robustez operações a vista, forward, NDF e outros derivativos, permitindo marcação a mercado da parte cambial e das taxas de juros. Relatórios de posição, movimentação e cadastros inteiramente novos.

Offshore

No caso de operações offshore, tivemos incrementos nas features a seguir:

  1. Controle do nominee (espécie de conta e ordem offshore);
  2. Contas correntes internacionais com múltiplas moedas numa mesma conta;
    Ampliação da lista de títulos de renda fixa suportados pela solução, inclusive com informações sobre o clean price e dirty price;
  3. Demonstração da rentabilidade e performance por classes e sérias, inclusive tratando os chamados umbrella funds;
  4. Processamento inteligente utilizando-se de prévias de indexadores ou aguardando informações definitivas dependendo da periodicidade de divulgação de cotas.

Ranking ANBIMA

O processo de geração dos Rankings ANBIMA de administração, gestão, custódia, global, controladoria de ativos e controladoria de passivos deixaram de possuir somente versão sistêmica (API Open Banking) e passaram a ser geradas também segundo comando dos usuários.

Novos informes legais

Novos informes legais e obrigações acessórias passaram a integrar a plataforma, com destaque para:

  1. Informe trimestral de FIP;
  2. Informe semestral de FIP;
  3. Informe anual de FIP;
  4. Informe trimestral de FII;
  5. Informe semestral de FII;
  6. Informe anual de FII;
  7. Notas explicativas FIDC;
  8. Demonstração de fluxa de caixa FIDC;
  9. Demonstração de posição financeira FIDC;
  10. Demonstração de resultados FIDC;
  11. Demonstração de mutações patrimoniais FIDC;
  12. Demonstração da evolução do patrimônio líquido;
  13. Contabilidade e relatórios específicos para fundos estruturados e seus ativos típicos.

Marcação a mercado

Novo motor de cálculo permite:

  1. Precificação de títulos com indexadores mensais a partir de projeções do indexador sem que a TIR negociada (cupom de compra) seja alterada no momento da divulgação do indexador oficial;
  2. Utilização de novos critérios de precificação de SWAP, inclusive com curvas de hedge de renda fixa ou importação direta da bolsa B3.

Gostou das novas features? Gostaria de entender melhor como a nossa plataforma pode lhe ajudar nos seus desafios? Entre em contato conosco, adoraríamos entender como a BRITech pode fazer a diferença para você.

Comentários